terça-feira, 8 de agosto de 2017

O Fim

Eu nunca gostei muito da palavra "Fim".
Acho que nunca acreditei que as coisas realmente tivessem um fim.
Eu me pergunto: Se algo existe, se de alguma forma se mantém vivo, pode se dizer que teve um fim?
Prefiro usar a palavra "recomeço", pois acredito que a cada ciclo que abrimos e fechamos em nossas vidas, nos fazem abraçar recomeços!
Mas as coisas permanecem ali. Pulsantes. Eu sempre pulsarei em algum pedacinho de você e você em mim.
E tudo aquilo que passa, não acaba. Continua ali. Numa lembrança, num sorriso, uma atitude, um presente, um aprendizado ou até numa saudade que vem se avisar.
E algumas coisas até ficam presentes demais. Pra sempre.
Como alguém pode dizer que algo assim simplesmente teve um "fim"?
Estamos entrando em novos recomeços. Eu, você. Nós.
E eu queria tanto que você pudesse enxergar um pouco do jeito que eu enxergo também, sabe?!
Queria que os nossos recomeços fossem olhados com tanto carinho por você como são por mim.
Você tem ideia do quanto você faz parte do que eu sou hoje?
Eu gostaria muito que você pudesse mensurar o quão importante foi pra mim. O quanto tive momentos incríveis e muito felizes ao seu lado. O quanto me fez sentir-me amada. O quanto me fez crescer.
Eu não me arrependo de um único dia ao seu lado. Nem unzinho. Nem mesmo nos que tivemos atritos, discordâncias, distâncias. Aliás, muito menos nesses!
Reparou como a gente cresceu juntos?
Entramos tão pequenininhos nesse jogo e saímos tão grandes.
Talvez você não enxergue muito bem agora, mas logo verá também.
Durante muito tempo eu achei que você era o cara certo que me apareceu na hora errada.
Eu estava enganada. Você era o cara certo na hora certa.
Você apareceu justamente quando eu mais precisava de chacoalhões, de alguém pra me dizer "Acorda menina! Para com essas bobagens. Para de repetir esses mesmos erros! Vem cá, que eu te ensino a ser melhor! Se entrega pra mim"
E você me deu todo esse seu amor. Sem medo, sem dúvidas, sem titubear.
E foi tão genuíno, tão maravilhoso... Mas também... Vindo de você, não poderia ser diferente.
Sabe... Cada dia que passa eu me sinto mais mulher. Mais convicta, mais certa do que eu quero pra mim, mais perto dos meus sonhos.
E você sabe o quanto participou e me ajudou nesse processo de menina-mulher, né?!
Hoje posso dizer que ao seu lado andei, amadureci, aprendi, cresci.
Você me escreveu uma vez que o amor nos muda para melhor. E é verdade. Você tinha razão. O amor nos mudou MUITO.
Eu sei que trocamos muito menos palavras do que talvez queríamos no nosso último encontro, então gostaria de dizer algumas coisas:
Eu te acho um cara incrível. Aliás, acho não. Você é!
Seu coração é gigantesco, apesar de muitas vezes você tentar escondê-lo por de trás dessa barba mal feita e essa cara de homem bruto.
Você é cheio de talentos, mas acredita e aposta muito menos neles, do que deveria.
Tudo o que você faz é com amor e isso é lindo. Eu tenho muito orgulho de quem você é e queria dizer que você tem uma jornada linda e cheia de sonhos pela frente. Um dia quero estar brindando as suas conquistas, junto com você.
Voa garoto! Voa porque a vida também te deu asas! Você só talvez não as veja.
E por fim, queria que você soubesse que toda lágrima que cai do meu rosto é também de tristeza, mas principalmente de felicidade e gratidão.
Felicidade por lembrar de tudo o que passamos e dizer pra mim mesma "Que gostoso! Quantos momentos incríveis vivi na minha vida durante esses últimos anos!" e gratidão por você ter insistido na gente e você ter decidido com toda a convicção do mundo que iria entrar de corpo inteiro na minha vida.
Obrigada. Pelos dias bons e pelos ruins também. Obrigada por ter vivido e amadurecido junto comigo em cada um desses. Te amo.

04/2017


terça-feira, 15 de março de 2016

Amar é simples

Seria tão mais fácil se a gente tivesse só os momentos bons...
E se quando algum momento ruim quisesse chegar, a gente desse um abraço desses de tirar o fôlego e um beijo de tirar sorrisos
E que quando qualquer coisa parecesse não ir bem, a gente simplesmente esquecesse, deixasse pra lá. Até por quê... Não importa!
A gente tem tudo, mas quando por qualquer segundo perdemos alguma coisa, é como se não tivéssemos nada
E nessas horas de não ter nada, ter você bastava
Ter você me olhando fundo
Sem sorrisos, sem desculpas, sem toques, sem amarras
O seu olhar encarando o meu, bem fundo
Já seria o suficiente para acalmar meu coração
Pra dizer em silêncio um "Tá tudo bem, eu to aqui com você"
Mas ah, como a gente gosta do difícil!
Como a gente gosta de sofrer um pouquinho antes de ser feliz de verdade
Parece que sem a parte ruim da história, a boa perde a graça
Isso é meio coisa de doido, eu acho
Mas... de louco todo mundo tem um pouco
Às vezes eu queria que a gente fosse bem maior que tudo, sabe
E que nada de ruim fosse forte o bastante pra nos abalar
Mas
Não somos
E por que brigamos, nos ferimos e nos maltratamos sem razão?
Sabendo que é o ciclo de quanto mais eu firo, mas ferido sou
É... A gente gosta do difícil!
Talvez por isso você goste tanto de mim
Porque eu sou difícil. E não me faço não, eu sou mesmo
Difícil de entender, difícil de conquistar, de conviver
Essas coisas de personalidade forte que vem no DNA
Essas coisas tão difíceis de explicar quanto o amor...
Ah, o amor!
E sabe... Amar é simples!
Difícil é ser paciente, ser leal, ser companheiro, respeitoso
Difícil é todo o resto que vem junto
Difíceis são as consequências de quando optamos por virar as costas quando aquele olhar era suficiente
As consequências de ir embora, quando podíamos ficar
Quando podíamos resolver, dar aquele abraço de tirar o fôlego e aquele beijo de tirar sorrisos...
Mas não!
Difícil não é brigar
Até porque faz parte... É inevitável! Somos cheios de defeitos e problemas
Difícil é escolher se afastar e deixar como estar, ao invés de amar.
Lembra?
Amar é simples
A gente é que gosta do difícil!

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

A complexidade do simples

Eu chorei.
Hoje.
Ontem.
Eu choro. Pelo nosso amor. Pelos nossos sonhos.
Tão longe e tão perto.
Sabe... Eu só queria que as coisas fossem fáceis.
Eu só queria uma casinha, com nós dois num lugar distante.
Distante dos problemas.
Distante de quem não nos quer bem.
Distante de qualquer briga, ou energia ruim.
Distante de tudo o que nos distancia.
Eu só queria que um sorriso bastasse.
Que um abraço curasse.
Que um beijo lhe trouxesse para mim.
Eu só queria que no dicionário, felicidade tivesse "nós dois" como sinônimo.
E que quando ela chegasse, mandasse todo o resto embora.
Que o sinônimo de felicidade fosse maior que tudo e todos.
E que na guerra de nós dois, ela fosse sempre a vitoriosa.
Eu só queria que a gente bastasse.
Que lhe amar bastasse.
E que bastasse.
Eu só queria que a felicidade que vivo trouxesse sempre o riso e nunca o choro.
Eu só queria que as coisas fossem fáceis.
Tão fáceis quanto é perceber o tanto que eu lhe amo.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

Utopia

Eu queria que você fosse o mesmo cara todos os dias.
Não queria nunca ver o outro lado.
Não queria ver que você é extremamente teimoso, assim como eu.
E um pouco egoísta, como eu.
Que em algumas vezes coloca 'a gente' em segundo plano, assim como eu.
Não queria nunca que você me entristecesse, como eu às vezes faço com você.
Ou que você me tirasse do sério, como eu muitas vezes.
Não queria nunca que você brigasse comigo por coisas bobas, como eu frequentemente faço também.
Queria que nosso amor fosse sempre supremo a todos os nossos defeitos e sentimentos pequenos.
Queria que você fosse menos de mim e mais perfeito.

terça-feira, 17 de março de 2015

Nós não somos um

É inegável e impossível de não se admitir que você é talvez o cara mais carinhoso que eu conheço.
Carinhoso, amoroso, preocupado.
Do tipo que qualquer mulher sonharia em ter.
Mas sabe, com o tempo descobri que você é tudo isso porque você me tem em posse.
Porque você protege, cuida e ama tudo o que é seu.
Desde aquele carrinho que lhe foi importante na infância até sua filha.
E eles são seus.
E sempre serão de alguma forma.
Mas desculpe, meu bem, lhe dar a triste notícia de que dentro de um relacionamento amoroso, ninguém é de ninguém.
E com a gente não é diferente...
Ciúme é normal. Quem nunca teve?
Da bola de futebol favorita. Do casaco novo. Do brinquedo recém ganho. Do primeiro carro. Do namorado.
E eu não lhe condeno por isso. Aliás, lhe condenar é possivelmente uma das poucas coisas que eu nunca farei.
E confesso: dentro de mim eu morro de ciúmes.
Eu sou muito ciumenta.
Muito.
Muito com muitas coisas.
De pequenas a nem tanto.
Mas eu aprendi com a minha vida e assistindo a dos outros, que ciúme não leva à nada. Que ciúme não é prova de amor. Que ciúme destrói.
Aprendi que discutir por ciúme nos deixa mais longe.
E eu odeio ficar longe de você.
Me bate saudade, sabe... Não consigo.
Por isso tomei a atitude – talvez dura – de me conter ao máximo em cada situação em que meu coração sente que pode lhe perder.
Por isso engulo em seco e finjo que não vejo, por mais que o meu coração esteja ali... Palpitando forte. Tentando protestar contra a liberdade, porque coração é egoísta e quer o mundo todo só pra si. E não quer perder nada daquilo que com tanto trabalho conquistou.
Ingênuo ele em achar que se perde o que não se tem... Ingênuo ele em achar que a conquista é uma tarefa com começo, meio e fim.
Mas é por isso que é coração. Se fosse diferente seria razão, consciente, córtex ou qualquer outra palavra científica bonita.
Mas coração é coração... E vai educá-lo pra descobrir o tamanho do problema que é!
...
Eu lhe entendo.
Eu juro.
Mas eu não consigo aceitar bem quando diante de tanto esforço meu, eu vejo você ainda deixando seu coração protestando pelo direito de ter-me.
Eu sei que é amor.
Eu sei que é medo também.
Mas eu sei que não nos faz bem.
E eu sei que vai me fazer chorar.
E sei que vou sofrer.
E vai nos desgastar.
Nos afastar...
E eu não lido bem com a saudade, meu amor.
Por isso eu lhe imploro: Conversa com o seu coração e diz pra ele que sou sua enquanto você for esse cara sensacional, carinhoso, amoroso, preocupado, que me trata como se fosse a dona do seu reinado.
E diz pra ele também, pra ele aprender a se controlar, porque toda vez que ele perde a cabeça, ele me machuca. E nos afasta.
Se quiser, eu deixo seu coração conversar com o meu.
Pra ter certeza de que mal nenhum vai fazer ele perder o lugar dele e pra ver como demonstrar confiança faz bem, traz segurança pros dois lados. Afaga o seu e o meu coração.
Por favor, eu não quero que você me ensine a lidar com a saudade. Eu quero nunca precisar sentí-la.
Me assegura disso, por favor?
Promete, coração?!

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

A pessoa certa na hora... Certa

Você foi a pessoa certa na hora errada.
Você foi a pessoa que chegou quando o meu coração mais precisava de um abrigo e quando ele menos queria achar um lugar novo pra morar.
Você foi sim e não.
Você foi o conflito que resolveu meus problemas.
Você cuidadosamente entrou e me assegurou de que iria dar um jeito em toda aquela bagunça.
E pacientemente me ajudou a juntar alguns dos meus pedaços que ainda sujavam a casa.
E você esperou... Esperou... Esperou.
Mesmo com o todo tempo que eu precisava você se manteve ali, desejando ser o porto de seguro de alguém que nem conhecia.
Manteve-se ali me dando todo o seu melhor, fazendo o possível e impossível para me ver com a casa arrumada, pronta para receber visitas e quem sabe, dividir novamente o meu espaço com outra pessoa.
É verdade que você quebrou com todos os meus planos, que fez meu coração dar o braço a torcer, que mudou minha rota e que me fez pegar o lado oposto da bifurcação.
Logo eu, sempre tão segura de mim e tão certa de tudo.
Logo eu que já tinha a programação inteira de um ano, contada dia após dia.
Logo eu... E você.
E que bom que você foi teimoso, igualzinho a mim. Que bom que você insistiu em cada "não". Que bom que você enxergou sei lá o que eu mim e quis ficar. Fez questão de ficar.
E você ficou.
Ficou no violão encostado no quarto. Na prancha deixada no chão da minha sala. Na escova de dentes no banheiro. Na bermuda de salva-vidas na minha cama. No cheiro no meu travesseiro. No sorriso no meu rosto. No conforto no meu coração.
Eu realmente não sei. Eu talvez nunca descubra os motivos que lhe fizeram ficar.
Só sei que agradeço a Deus todos os dias.
Só sei que você mudou os meus conceitos.
Meu conceito de amor, carinho, cumplicidade, parceria.
Eu acreditava que todo homem necessariamente precisava ser meio estúpido, que nenhum homem é carinhoso demais, que a gente precisa mesmo é aprender a se virar bem sozinha e não ser cuidada por ninguém.
Você mudou isso em mim.
Mudou essas teorias machistas que a sociedade e o casamento dos meus avós me fizeram aceitar como verdade.
Você quase me faz acreditar que eu sou a mulher mais linda do mundo; mesmo gripada, com os olhos inchados e o cabelo amassado.
Você quase me faz acreditar que eu sou a melhor namorada do mundo; mesmo teimosa, birrenta, egoísta e até meio grossa.
Você quase me faz acreditar que eu sou a mulher mais gostosa do mundo; mesmo com estrias e celulite, mesmo depois de meses sem malhar, me sentindo completamente flácida e fora de forma.
Mas uma coisa você não precisa tentar me fazer acreditar, porque isso eu tenho certeza:
Eu sou a mulher mais sortuda do mundo.
Você não faz idéia do bem que me faz. Eu nunca lhe disse isso, mas você me faz mais feliz que caminhada à noite na areia da praia, que banho de mar, mimo de vó, presente fora de época, abraço de amiga e brigadeiro de colher.
Eu tenho certeza que você veio na hora errada.
Mas com o tempo a gente percebe que as coisas na vida não esperam momento certo. Nem mesmo na minha, cheia de certezas e planejamentos.
Com o tempo você me fez ter certeza de que a hora é o que menos importa. Que na verdade, o que existem são escolhas, que te levam a caminhos certos ou nem tanto.
Há alguns meses atrás você foi uma escolha.
Hoje você é, provavelmente o caminho mais certo que já pisei.
Por você eu deixo de lado as minhas convicções mais quantas vezes forem preciso e mudo de idéia em mais quantas bifurcações a vida nos levar.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Minha última carta de amor endereçada à você

Sabe, eu não vou me enganar...
Não vou dizer que não fiz planos pra gente. E nem que não achava genial o fato de nós dois termos a vontade de adotar. E até mesmo um menininho negro!
Pois é, mulheres são sempre mais sonhadoras...
Não vou dizer que até o nosso um ano não foi maravilhoso e nem que eu não viveria tudo de novo pra ter aquele cara que fazia muito por mim e qualquer coisa pela minha companhia e pelo meu sorriso.
Sabe, eu aprendi muito com você. Aprendi a dividir mais, a ser mais paciente, menos chata, mais flexível, menos mimada.
Com você eu percebi o quanto eu me dôo e me dedico a alguém, se assim eu quiser. O quanto eu posso fazer tudo por uma pessoa e um pouco mais. Porque eu fiz tudo por você. O que estava ao meu alcance e até mesmo o que não estava. Você sabe. Basta olhar para o lado, pra enxergar o quanto eu quis o seu bem e a sua felicidade, e lutei por isso. Eu fiz por você, eu fiz pela gente.
Acho que até hoje você ainda não se dá conta por completo. Mas ah, o tempo... O tempo é maior que todos nós e ele ainda vai lhe mostrar muita coisa. Eu tenho certeza disso.
E o mais engraçado é que eu faria tudo de novo.
Mas esse nosso último mês foi complicado.
E tentando enxergar de fora, eu vejo como paramos na hora certa. Se tivéssemos parado antes, poderíamos dizer que desistimos sem tentar e se tivéssemos parado depois, poderia ser que não terminássemos tão bem como terminamos.
O nosso amor durou exatamente o tempo que deveria durar.
Nem um dia a mais, nem um a menos.
A gente entrou na vida um do outro; viveu, um o outro; deixou parte de tudo o que nos constrói; nos mesclamos um pouco; nos divimos um pouco; mas estamos saindo inteiros; deixando de legado fragmentos do nosso melhor e que serão levados conosco para o resto das nossas vidas.
E não vou me iludir. Essa semana foi uma das minhas piores. Não só por você, mas por todo o balde de coisas que a vida derramou em mim de uma só vez.
E não vou dizer que nos últimos dias eu não lembrei mais de você do que lembrei em todos os últimos meses. E não vou dizer que por segundos não lhe vi aqui do meu lado e em seguida, caí em mim.
E não vou dizer que meu maldito cérebro não queria me condicionar a lhe esperar em qualquer uma dessas noites frias.
E não vou fingir que não chorei. Que não desejei que durássemos mais. Que não lamentei pelo nosso "fim".
Mas com a mesma pressa que você se fez apaixonante, você também me mostrou que essa foi a melhor escolha.
E eu acredito e desejo de fato, que a gente guarde todas as inúmeras boas lembranças e recicle às vezes que não sorrimos.
Pra daqui dez anos, eu olhar pra tudo isso e ter a capacidade de sorrir com cada nosso bom momento. De sorrir com a mesma simplicidade e naturalidade do sorriso que dei no dia que nos conhecemos. Você deve lembrar.
Você nunca deixará de ser o "meu primeiro namorado". Desses que se coloca foto nos porta-retratos e se apresenta para a família.
Mas como você bem deve saber também, a gente dificilmente acerta de primeira.
E eu escrevi esse texto porque durante essa semana eu observei a vida. Eu parei por uns dias, eu pensei, eu me entristeci, eu fiquei comigo, eu senti a sua ausência. Mas eu também olhei adiante e enxerguei antecipadamente tudo o que eu tenho pela frente, tudo o que eu sei que a vida me reserva - porque ela sempre teve o dom de me reservar as melhores coisas - e que eu não devo me estagnar; que eu devo me abater, mas não em excesso; que eu devo chorar por você, mas não mais do que merece; que eu devo sentir a nossa falta, mas não mais do que a de a mim mesma.
Meu coração é frágil, desconfiado, indefeso e sincero. Mas acima de tudo, decidido. Você sabe.
E hoje ele olhou fundo nos meus olhos e me disse com sinceridade materna e amparadora "Levanta este rosto menina, vai seguir teu caminho que tu mesma já criastes, porque eu não quero mais sofrer contigo!"
E sabe, eu sempre respeitei meu coração. Sempre acompanhei ele, na saúde e na doença, na tristeza e na alegria.
E não vai ser dessa vez que eu vou fazer diferente.
Por isso, este texto.
Pra me esvaziar por inteira, porque eu preciso me encher de volta.
Pra tomar minha última dose de você.
Pra lhe fazer tornar-se em mim: marcas, momentos, lembranças, passado.
Por isso, este texto.
Pra dizer que este é meu último suspiro.
Meu último desabafo.
Minhas últimas lágrimas.
Minha última carta de amor endereçada à você
.